Secretaria de Direitos Humanos promove políticas de inclusão para a população LGBT

A ideia é dialogar a respeito das políticas públicas disponibilizadas para a inclusão e promoção da cidadania das pessoas LGBT residentes no município da Serra

Secretaria de Direitos Humanos promove políticas de inclusão para a população LGBT


Texto: Anete Lacerda - Foto: Freepik

Conscientizar e informar à população sobre a importância de enfrentar a LGBTfobia e dialogar a respeito das políticas públicas disponibilizadas para a inclusão e promoção da cidadania das pessoas LGBT’s residentes no município da Serra.

Esse é o objetivo da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania (Sedir), por meio do Departamento de Direitos Humanos(DDH) e da Divisão de Promoção da Igualdade de Gênero, que nos últimos anos promove ações constantes para atender especificamente a esse público, que tem 17 de maio como o Dia Internacional de Enfrentamento à LGBTFobia.

As atividades contam com apoio de outras secretarias e instituições e do Fórum LGBTI+ da Serra. Através da Divisão de Promoção da Igualdade de Gênero foram disponibilizados a esse público momentos formativos, com rodas de conversas, capacitações para servidores públicos da Serra e para estudantes e trabalhadores, alcançando um total de 1968 pessoas. 

Além disso, foi realizado o Manifesto LGBTI+, que reuniu cerca de 30 mil pessoas, segundo dados da Polícia Militar. Foram também realizados mutirões para retificação de prenome e gênero para pessoas trans, dentro do projeto “Esse é o meu nome”, que atendeu 140 pessoas.

Lilian Mota, secretária de Direitos Humanos e Cidadania, destaca que a Prefeitura da Serra está atenta para que todos os seus moradores e moradoras alcancem cidadania plena.

“Não queremos falar de opinião. Elas são amplas e variadas. Queremos falar de respeito. A LGBTfobia é crime. E o nosso trabalho diário é para que nenhum direito seja violado e todos sejam respeitados”, ratifica.

Layza Lima, da Divisão de Promoção da Igualdade de Gênero, ressalta que uma das maneiras de enfrentar a LGBTIfobia é através de políticas públicas que promovam a cidadania a quem mais precisa. "Essas ações precisam impactar também a vida social das pessoas LGBTI”, reforça.

Saiba mais

No dia 17 de maio de 1990 a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID).